domingo, 18 de abril de 2010

Oscar 1951 - Nascida Ontem



Diria que Born Yesterday – Nascida Ontem – foi a bela surpresa da 23ª edição do Oscar. O filme, dirigido por George Cukor, é uma comédia romântica e recebeu cinco indicações em 1951 – Incluindo Melhor Filme, Melhor Atriz e Melhor Diretor.

O filme nos apresenta a Harry Brock (Broderick Crawford) um grosso e rico empresário que vai até Washington fechar um grande e ilegal negócio. Junto com ele está Emma “Billie” Dawn (Judy Holliday), sua amante. Ao perceber que o comportamento da jovem pode atrapalhar suas negociações, ele contrata o jornalista Paul Verrall (William Holdem) para lhe ensinar boas maneiras. O problema é que no decorre da situação, os dois se apaixonam e ela começa a perceber o que está acontecendo a sua volta, causando, problemas inesperados ao milionário.

A história é uma adaptação da peça teatral de mesmo nome escrita e dirigida por Garson Kanin, que também assina – junto com Albert Mannheimer, que não foi creditado - o roteiro dessa versão cinematográfica. Além dessa, existe outras versões de Nascida Ontem. Uma delas é um ramake de 1993 com Melanie Griffith no papel principal. Escolha perfeita, já que ao ver Judy Holliday em cena logo nos lembramos da secretária de futuro.

Judy Hilliday já havia interpretado Billie no teatro, mas, na época os produtores não queriam uma desconhecida para interpretar o pepel no cinema. A atriz era a terceira opção (Eles preferiam Jean Arthur ou Rita Hayworth), e só depois de fazer um teste e receber elogios, ela conseguiu o papel. Até mesmo Spencer Tracy e Katherine Hepburn decidiram apoiar a atriz, escalando ela para fazer parte do elenco de A Costela de Adão, para então, promovê-la. O resultado dessa novela, foi que Holliday não só foi indicada, como ganhou o prêmio de Melhor Atriz. e só para lembrar, Judy disputou a estatueta com Gloria Swanson, Bette Davis e Anne Baxter.

Perfil: Judy Holliday

Nascida em 21 de Junho de 1921, Judith “Holliday” Tuvin começou sua carreira em um clubes noturnos encenando "The Revuers" ao lado de Betty Comden , Adolph Green , Alvin Hammer e John Frank. Na década de 40 fez as peças Kiss Them for Me e Nascida Ontem, que mais tarde também faria a versão cinematográfica.

Seu primeiro trabalho no cinema foi como extra em Too Much Johnson em 1938, mas como comentado acima, foi só com ajuda de Spencer Tracy e Katherine Hepburn que ganhou seu primeiro papel de destaque em um filme. Nesse caso, A Costela de Adão - que aliás, também recebeu indicações na 23ª Edição do Oscar. Foi no ano seguinte, em 1950, que teve seu melhor ano na carreira. Além de levar o Oscar de Melhor atriz para casa, também recebeu o Globo de Ouro e passou a ser mais conhecida pelo público.

Quatro anos depois fez outra comédia, agora ao lado de Jack Lemmon, e foi indicado ao BAFTA. Suas indicações não ficam só nessas, também recebeu mais uma ao BAFTA por "Phfff!" e mais duas ao Globo de Ouro, por The Solid Gold Cadillac (O Cadilac de Ouro) e Bell are Ringing (Essa Loira Vale um Milhão) - Seu último filme, que aliás, também estrelou a versão teatral. Seus últimos trabalhos - Laurette e Hot Spot - foram justamente onde começou, no palco. Em 1965, quatorze dias antes de seu aniversário, Judy Holliday faleceu devido um câncer de mama.

INDICAÇÕES:
  • Melhor Filme
  • Melhor Atriz – Judy Holliday
  • Melhor Diretor – George Cukor
  • Melhor Roteiro
  • Melhor Figurino
Por: Thiago Paulo

5 comentários:

cabaretcinefilo disse...

Tá ai um filme que tenho muita curiosidade em ver, mas ...

Marcelo A. disse...

Eu sou apaixonado por esse filme, Thiago... Pena que não tenho como gravar direto da TV, porque o Cult sempre reprisa. Não sei responder se o Oscar da Holliday foi merecido (ainda), mas sou fã incontestável da atriz. Só não gosto da versão de 93, embora tenha simpatia pela Melanie. O filme é todo dela, embora Holden e Crawford estejam ótimos. Um filme que realmente é uma grande supresa para quem vê.

Me diz: esse foi ou não um grande ano?

=)

Abração!

Thiago Paulo disse...

Realmente Marcelo, esse ano foi muito bom. Grandes filmes! Nossa, adorei Nascida Ontem, e assim como você não sei se o oscar de judy holliday foi merecido. Ainda tenho que pensar aqui... rs

Cabaretcinéfilo, tenta achar por aí. Acho que vale a pena conferir o filme.

Thiago Paulo disse...

Há, sabe por que disse que a Malanie foi a escolha perfeita para a refilmagem? Não sabia que tinha essa versão, e enquanto via o filme pensei... Judy lembra muito Malanie em Uma secretária de Futuro.

Marcelo A. disse...

Não, Thiago, não foi uma crítica. Mas penso que alguns filmes não merecem remakes... pra mim é até pecado! Como falei tenho simpatia por ela. Mas a Judy era única: seu andar, seus olhares, aquela voz esganiçada... É o que falei: o filme é dela e pronto!

=)

diHITT - Notícias