terça-feira, 2 de março de 2010

Oscar 1977 - Carrie , A Estranha


Stephen King já teve vários de seus livros e contos adaptados para o cinema, uma dessas adaptações é de Carrie, A Estranha, que foi o seu primeiro romance a ser publicado e também o primeiro a ser transportado para o cinema.

Dirigido por Brian De Palma e roterizado por Lawrence D. Cohen, o filme foi muito bem recebido pelos críticos; e hoje já é considerado um clássico do terror. Com um orçamento de 1,8 milhões de dólares, Carrie foi um sucesso de público e arrecadou nas bilheteiras norte americanas 30 milhões. O longa é protagonizado por Sissy Spacek, que ralou muito para conseguir o papel principal. Para fazer seu teste de elenco, a atriz passou vaselina no cabelo e usou um vestido vermelho feito pela sua mãe. Só assim conseguiu convencer Brian De Palma e desbancar sua concorrentes.

A história gira em torno de Carrie Wight, uma jovem muito tímida que descobre possuir poderes paranormais. Durante um banho, Carrie pensa estar morrendo, mas na verdade está tendo sua primeira menstruação. Sem saber de nada e completamente apavorada, a personagem é ridicularizada pelas sua colegas de colégio e com ajuda de sua professora, fica sabendo a verdade. Ao voltar para casa, ela questiona sua mãe (ótima atuação de Piper Laurie) sobre o assunto, mas como ela é uma religiosa fanática, castiga Carrie pelo acontecido, dizendo que ela é uma pecadora.

Devido seu sucesso, a história ganhou várias versões. Uma sequência em 1999 - The Rage: Carrie 2 (A Maldição de Carrie) - que foi muito críticada e um grande fracasso de bilheteira; e um ramake feito para TV em 2002, onde trama foi modernizada e o final completamente alterado. E ainda um musical.

Perfil: Sissy Spacek

Mary Elizabeth Spacek foi indicada seis vezes ao Oscar, uma delas, por Carrie - A Estranha. Não chegou a ganhar, mas ficou bastante conhecida pelo seu papel. Nascida no Dallas - Texas - em 25 de Dezembro de 1949, Sissy se mudou para Nova York após a morte prematura de seu irmão mais novo. Seu objetivo era ser cantora, mas por influência de seu primo - o ator Rip Torn - acabou entrando para o Actors Studio.

Seu primeiro papel no cinema foi em 1972 no filme Prime Cut (de Michael Ritchie), onde interpretou uma jovem Órfã que é vendida para prostuição. Depois, nessa mesma época, seu papel de maior destaque foi em Badlands ( Terra de Ninguém de Terrence Malick), onde contracenou com Martin Sheen. Foi nos bastidores deste filme que Sissy Spacek conheceu Jack Fisk, diretor de arte com quem se casou e teve duas filhas.

Nos anos 80, começou muito bem, foi indicada e ganhou o oscar pelo filme O Destino Mudou sua Vida, onde interpretou a cantora cowntry Loretta Lynn. Sissy trabalhou ao lada de muitos astros, e também foi indicada mais 4 vezes ao Oscar: Missing - Desaparecido, um grande mistério (1982), O rio do desespero (1984), Crimes do coração (1986) e Entre quatro paredes (2001).

Como já comentado acima, seu papel icónico foi no filme de Brian De Palma. Depois desse, trabalhou com o diretor Robert Altman - que ficou impressionado com o desempenho da atriz, e disse: "Ela é notável, uma das melhores atrizes que eu já trabalhei. Seus recursos são como um poço profundo"

Curiosidades: Você sabia que...

... A atriz Betty Buckley, professora de ginástica no filme, interpretou também a mãe de Carrie na versão musical do filme?

... Que esse foi o primeiro filme de John Travolta?

... Que Melanie Griffith desistiu de interpretar Carrie?

INDICAÇÕES:
  • Melhor Atriz - Sissy Spacek
  • Melhor Atriz Coadjuvante - Piper Laurie
Por: Thiago Paulo

3 comentários:

thicarvalho disse...

Grande filme, com ótimas atuações e um desfecho surpreendente. Um dos melhores filmes de terror que já pude assistir. Para aqueels que estiverem afim de conhecer um pouco mais sobre as obras adaptadas de Stephen King visitem http://cinemaniac2008.blogspot.com/2009/09/harry-potter-crepusculo-e-o-fenomeno_24.html
Grande abraço e parabéns pelo blog.

LuEs disse...

Thiago, eu considero Carrie, a Estranha - tanto a obra cinematográfica quanto a obra literária - um delicioso prazer. Acredito que o livro tenha sido concebido a partir da ideia de criar não apenas o terror explícito, afinal há concepção é extremamente cuidadosa com o aspecto psicológico da personagem e também da leitura, de modo que o leitor conheça a personagem primordialmente, para depois conhecer aquilo que ela faz.
Quando transportado para as telas, o romance de Stephen King - vale ressaltar que essa foi a sua primeira publicação - ganhou o tom adequado e fez jus ao que o livro representa. As ótimas atuações são coerentes com aquilo que é proposto, a direção de Brian de Palma é eficiente, o roteiro fez apenas as modificações necessárias... assim, considero Carrie um flme realmente divertido e trata-se realmente de uma obra cinematográfica e não apenas de um filminho de terror.

Muito boa a sua resenha, Thiago!
;D

Renan disse...

Me deu vontade de ver esse filme. Bem legal o post. Muito bem escrito. O perfil da Sissy Spacek também ficou bom.

Abraços.

diHITT - Notícias